Como vocês já sabem, o Homem-Grilo está licenciado sob Creative Commons. A licença do Homem-Grilo permite que você possa copiar e distribuir livremente as histórias em quadrinhos dele, assim como criar obras derivadas, contanto que você dê os créditos aos autores originais. No entanto, a licença não permitia que você pudesse fazer uso comercial das obras derivadas. Até agora.

A nova licença Creative Commons do Homem-Grilo libera o uso comercial das obras derivadas. Isso quer dizer que a partir de agora você não só pode utilizar o Homem-Grilo em suas próprias obras criativas, como também pode vendê-las e comercializá-las sem com isso estar infrigindo meus direitos autorais.

Tomei essa decisão de liberar o uso comercial do Homem-Grilo por um simples motivo, permitir que outros criadores possam lucrar com o meu personagem. Muitos autores, sobretudo os independentes e fanzineiros, mesmo sabendo que o Homem-Grilo estava sob Creative Commons, ficavam meio receoso de usar o meu personagem, pois não sabiam se eu iria implicar pelo fato de eles estarem vendendo uma obra com o Homem-Grilo. Tá certo que a maioria dos fanzineiros não visam lucrar com seus fanzines, sendo que o valor da venda é apenas para cobrir os custos de produção, mas há aqueles que visam sim o lucro. E ainda mais hoje em dia em que o número de revistas independentes produzidas em gráficas tem aumentado. Para esses produtores, é essencial que o valor final da revista seja para obter lucro e não apenas cobrir o custo de produção, pois do contrário seria impossível manter a continuidade das edições. Pois bem, agora com a nova licença Creative Commons do Homem-Grilo, esses produtores independentes não precisam ficar mais receosos de usar o personagem (e isso também vale para os não-independentes).

Certamente alguns de vocês devem estar pensando: “Mas que cara idiota, ele deixa que os outros lucrem com o seu personagem sem ganhar nada em cima”. Mas se você pensa deste jeito (aliás, um pensamento bem retrógrado), está muito enganado. De fato não estarei ganhando nada diretamente, mas em compensação estarei ganhando muito de forma indireta, pois cada vez que alguém usa meu personagem para criar uma obra, seja outras histórias em quadrinhos, peças de teatro, animações, jogos de rpg, etc, o Homem-Grilo estará cada vez mais ganhando valor. E isso acontece pois estará sendo criado uma mitologia em volta do Homem-Grilo (e para entender o sentido exato da palavra mitologia usada aqui, recomendo a leitura do meu artigo O que é mito? O que é Mitologia?). E todo esse valor agregado ao Homem-Grilo, eu poderei explorar em acordos comerciais de minhas própria obras criadas com o personagem.

Mas aí alguns de vocês também podem perguntar: “Legal, mas e quanto a mim, o que ganho ao usar o seu personagem em minha obra?”. Bem, para começar, você já ganha uma boa base de leitores que o Homem-Grilo possui e que conquistei nesses quase oito anos em que o personagem é publicado, seja aqui no site, ou em fanzines e revistas em quadrinhos. E quanto mais gente criando obras com o Homem-Grilo, mais essa base de leitores (ou espectadores, dependendo do tipo de obra) vai aumentando, beneficiando a todo mundo.

Por fim, ao liberar o uso comercial do Homem-Grilo, espero também estar incentivando outros criadores a fazerem o mesmo com seus personagens e suas obras. Como diz (criador da Creative Commons) em seu livro Cultura Livre: “Os criadores aqui e em todo lugar estão sempre e o tempo todo construindo em cima da criatividade daqueles que vieram antes e que os cerca atualmente”. Ou seja, ele toma como base a máxima de que não existe obra 100% original, pois ninguém cria nada do nada, tudo é referência. Sendo assim, se todos adotarem a licença Creative Commons, estaremos colaborando cada vez mais para o retorno de uma cultura livre, como era por exemplo na grécia antiga, onde um dramaturgo poderia criar livremente uma tragédia em cima de um poema já feito, que por sua vez poderia ser usada pra criar uma escultura ou uma pintura, e todos eles estavam amparados pela cultura popular das narrações míticas. E essa criação mútua foi justamente o que colaborou para a riqueza da cultura helênica que persiste até os dias de hoje.

Diferente do que acontece atualmente, por exemplo, em que uma empresa como a Disney, que se utilizou amplamente de obras populares e de domínio público para criar suas animações, mas agora na hora de liberar suas próprias criações para que outros criadores possam também criar com elas, fica fazendo lobby para ampliar a duração do tempo de direito autoral e tornando a lei cada vez mais restritiva. Lei essa que de autoral mesmo, já não tem mais nada, já que ela é atualmente utilizada para proteger os interesses das grandes corporações e não dos autores de fato (vide a pendenga jurídica entre os herdeiros dos criadores do Super-Homem e a Time Warner pelos direitos do personagem).

E ao liberar o Homem-Grilo sob Creative Commons, estou permitindo que qualquer um possa usar o Homem-Grilo e criar diferentes obras com ele, ao contrário do que acontece com Super-Homem, em que nem mesmo os herdeiros de seus próprios criadores, podem usá-lo livremente.